Maioria absoluta do STF mantém decisão da Segunda Turma e declara suspeição de Moro
Por 7 votos a 2, o plenário do Supremo Tribunal Federal formou maioria, nesta quinta-feira (22), para manter a decisão da Segunda Turma do STF que declarou que o ex-juiz Sergio Moro foi parcial ao julgar os processos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na Operação Lava Jato. O ministro Marco Aurélio Melo pediu vista, e o plenário retoma a discussão na próxima quarta-feira (28). Ainda na sessão de hoje, o STF decidiu que os processos de Lula devem ficar na Justiça Federal do Distrito Federal. Na semana passada, o plenário do Supremo decidiu pela anulação das condenações impostas ao ex-presidente pela 13ª. Vara Federal de Curitiba. As duas decisões restabelecem os direitos políticos de Luiz Inácio Lula da Silva injustamente suspensos em abril de 2018. Com isso, o ex-presidente estará apto a disputar as eleições presidenciais de 2022. Pelas redes sociais, parlamentares da Bancada do Partido dos Trabalhadores na Câmara comemoraram o desdobramento favorável à justiça e à democracia. “Maioria do STF fez justiça: Moro foi juiz suspeito, Lula é inocente das acusações e tem direitos políticos plenos. Valeram 5 anos de luta! Que nunca mais o judiciário volte a ser manipulado para perseguição política. Nunca mais uma eleição se decida pela cassação ilegal de um candidato”, escreveu a presidenta Nacional do Partido dos Trabalhadores, deputada Gleisi Hoffmann (PR). O líder da Bancada do PT na Câmara, deputado Elvino Bohn Gass (RS) também comemorou o resultado. Para ele, os argumentos jurídicos proferidos tanto na Segunda Turma quanto no Plenário da Corte reafirmaram o pedido de habeas corpus impetrado pela defesa do ex-presidente lula. “Moro é suspeito, sim! isto não é opinião, mas decisão judicial. A maioria da mais alta instância da Justiça brasileira já firmou esta posição. Seria, mesmo, inaceitável que um juiz que grampeou até advogados de defesa e tramou contra um réu, fosse legitimado”, afirmou Bohn Gass. Na avaliação de José Guimarães (PT-CE), mesmo que tardia, a justiça foi feita. “Maioria do Supremo mantém decisão que considera Moro um juiz parcial. Foi considerado suspeito, essa é a pior classificação que um juiz pode receber, agora oficialmente e reconhecido pela justiça suprema brasileira. Moro é uma vergonha para a magistratura do país”, asseverou o deputado cearense. Eufórico com a decisão do STF, o deputado Rogério Correia (PT-MG) escreveu: “Acabou! Fux até tentou adiar para quarta da semana que vem, mas Lewandowski, Carmen Lúcia e Toffoli foram rápidos e votaram pelo respeito à lei e ao que havia decidido a segunda turma do STF. Agora é oficialíssimo e sem choro: Moro é juiz ladrão.” As deputadas Professora Rosa Neide (PT-MT) e Maria do Rosário (PT-RS) também se manifestaram pelas suas contas no Twitter: “Moro suspeito e Lula Livre para ser presidente de novo. A terra plana não dá voltas, capota. A pergunta que fica é: Como reparar 580 dias presos injustamente? Lula podia ser hoje o presidente do Brasil! Foi golpe duplo contra Lula e a democracia”, apontou Rosa Neide. “Moro suspeito! STF acaba de formar maioria pela suspeição do ex-juiz Sérgio Moro. Lula já havia avisado: “A desgraça de quem conta a primeira mentira é que passa o resto da vida mentindo para justificar a primeira”. A verdade sempre vence!”, escreveu Maria do Rosário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *